Razões porque retornei à Igreja Catolica
 

Razões porque retornei à única Igreja de Jesus Cristo

                

Ajude divulgar nosso site vote no botão +1 google

REBEMOS UM depoimento tão extenso quanto interessante, de um leitor que se declara "ex-evangélico" e se identifica como André Silva (este post foi publicado originalmente em nosso extinto blog 'Voz da Igreja', em novembro de 2011). Pelos argumentos sólidos e objetivos, julgamos conveniente republicá-lo, acordadas algumas pequenas revisões, adaptações e complementos nossos. O texto completo possui 28 tópicos bem elaborados. Por uma questão de espaço e para facilitar a leitura, dividimos o texto em três partes. Leia a primeira abaixo.

Eu, que por muitos anos frequentei igrejas evangélicas de diversas denominações, e por muito tempo fui enganado e explorado pelos seus pastores, dedico este testemunho a todos aqueles que se declaram "ex-católicos", sem nunca terem sido católicos realmente, mas sobem aos púlpitos protestantes-evangélicos, que eles, por pura ignorância, chamam de "altar", para induzirem ao erro seus irmãos mais ingênuos (se não há sacrifício não é altar: só existe Altar na Igreja Católica).

Não creio que um dia tenham sido católicos os que depõem seus falsos testemunhos dizendo que encontraram a salvação em alguma igreja evangélica, porque os verdadeiros católicos já encontraram Jesus e a Salvação na Igreja que Ele mesmo nos deu, e não podem abandonar a Comunhão com Deus, seu Criador e Salvador, a não ser que nunca tenham comungado verdadeiramente com o Senhor Jesus Cristo.

Enumero abaixo as 28 principais razões porque deixei o protestantismo e retornei à primeira e única Igreja de Jesus Cristo. Espero sinceramente, com isto, poder salvar alguma alma do erro e da perdição eterna.

 

1. Princípio "Só a Bíblia" (Sola Scriptura)


Nada mais falso do que esse princípio. Os cristãos do primeiro século não dispunham da Bíblia. E nem os cristãos dos séculos seguintes (a canonização dos livros da Bíblia ocorreu somente no século IV). Na verdade, os cristãos só puderam contar com a Bíblia para consulta, como hoje, muitos anos depois da invenção da Imprensa, que só aconteceu no ano de 1455. Então, será que o Senhor Jesus esperaria quinze séculos para revelar a sua verdadeira doutrina ao mundo? Se assim fosse, Ele teria mentido, pois disse antes de partir para o martírio que estaria com a sua Igreja até o fim do mundo (conf. Mt 28,19-20).

Além disso, para que a Bíblia fosse a única fonte da Revelação, seria no mínimo necessário que ela mesma se proclamasse assim; e este não é o caso, pelo contrário. A Bíblia diz que a Igreja é a coluna e o sustentáculo da verdade (1Tm 3,15), e não as Escrituras sozinhas. Nelas, Jesus Cristo diz ainda: "Vocês examinam as Escrituras buscando nelas a vida eterna. Pois elas testemunham de Mim, e vocês não querem vir a Mim, para que tenham a Vida!" (Jo 5,39-40). Eles examinavam as Escrituras, mas isso não bastava! Aí está o Senhor, dizendo claramente que não bastam as Escrituras para se chegar a Ele!

Sim, a Bíblia diz que as Escrituras são úteis para instruir, mas nunca diz, em versículo algum, diz que exclusivamente as Escrituras instruem, e menos ainda que somente as Escrituras valem como regra de fé. O Sola scriptura é uma invenção humana sem nenhum fundamento. E a Bíblia também diz que devemos guardar a Tradição (conf. 2Ts 2,15 e 2Ts 3,6 e outros). Porque rejeitar essas passagens? Só para contrariar os católicos? Ao rejeitar a Tradição, os chamados evangélicos contrariam a Bíblia.


2. Princípio "Só a fé salva" (Sola Fide)

A Bíblia ensina que a fé sem obras é morta, na Epístola de Tiago (2,14-26). A mesma Bíblia também ensina que o cristão deve perseverar até o fim para ser salvo (Mt 24,13), e acrescenta que seremos julgados, todos, por nossas ações boas ou más. São muitas as passagens que falam do grande Julgamento futuro e, sendo assim, é um ensinamento falso que alguém já esteja salvo só porque "aceitou Jesus". Não basta ir à frente de uma assembleia e dizer: "aceito Jesus como meu Senhor e Salvador" para ganhar o Céu. Não, não. É preciso muito mais do que isso. Conversão não é da boca para fora. É preciso que cada um tome a sua cruz e siga o Senhor, que, aliás, nunca prometeu prosperidade para quem o seguisse.

Portanto, é totalmente mentirosa a afirmação de que basta ter fé para ser salvo. Ora, os demônios também creem,  tremem (Tg 2,19).

3. Lutero

Foi Martinho Lutero quem começou com as igrejas protestantes, que deram origem às ditas igrejas evangélicas de hoje. Logo, direta ou indiretamente, Lutero é o fundador de todas as igrejas evangélicas que existem hoje. Sendo assim, por que não são todos luteranos? Se todos eles seguem os mesmos princípios “Só a Bíblia” e “Só a Fé”? Por que será que a cada dia surge uma nova interpretação, um novo jeito de entender, uma nova "igreja"? Na verdade, se fossem todos luteranos, a situação estaria bem menos pior.

Por outro lado, se os evangélicos reconhecem que Lutero é um homem falível, como é possível que eles tenham tanta certeza de que os princípios que esse homem inventou sejam dignos de confiança absoluta? Mais dignos de confiança do que aquilo que ensina a única Igreja que tem 2000 anos de História e foi fundada diretamente por Jesus Cristo?

O próprio Lutero contestou o Papa e decretou que não se deve confiar num sacerdote. Mas acontece que ele mesmo era um ex-sacerdote católico! Então, se ele mesmo se descarta, como pessoa não confiável, quem pode ser tolo o suficiente para dar crédito ao que ele disse ou escreveu?


4. Subjetivismo religioso – I

Uma denominação evangélica não é igual a outra em matéria de fé. Isso é um fato inquestionável:

• Umas batizam crianças, outras não;

• Umas admitem o divórcio, outras o repudiam;

• Umas aceitam mulheres como "pastoras", outras não;

• Umas praticam a "santa ceia", outras não;

• Umas ensinam que devemos guardar o sábado, outras não;

• Algumas ensinam a teologia da prosperidade, para outras isso é heresia, etc, etc...

Por aí vai. Tem "bispo evangélico" que defende até o aborto, só porque a Igreja Católica é contra! É comum ouvimos frases como estas: “Nesta 'igreja' está a verdade”, ou “Deus levantou este ministério" ou ainda "A tua vitória está aqui”... Mais comum ainda é os pastores dizerem que as igrejas deles são "ungidas". Ora, se todas essas igrejas ditas evangélicas são tão diferentes entre si, e a Verdade é uma só, como é possível um evangélico ter certeza que está no caminho certo, ou que o seu pastor está pregando a verdade, se existem tantos outros pastores (que também dizem seguir a Bíblia e afirmam que são 'ungidos') que discordam dele?


5. Subjetivismo religioso – II

Cada "crente" pode interpretar a Bíblia do jeito que quiser, segundo a tese protestante de Lutero. Mas todos nós sabemos que um "crente" não concorda com o outro em todas as coisas. Muitas vezes divergem entre si mais do que convergem, porque cada qual interpreta a Bíblia do seu jeito, e nem poderia ser diferente. Então, como é possível um evangélico ter a certeza de que está certo na sua interpretação? E por quê, meu Deus, por quê apenas a interpretação da Igreja Católica é que está completamente errada, em tudo?

Essa é a mais cruel de todas as incoerências das igrejas ditas evangélicas: praticamente todas elas se reservam de criticar outras denominações evangélicas, mas são unânimes em criticar a Igreja Católica! O mais incrível é não perceberem que, agindo assim, estão cumprindo as profecias bíblicas do próprio Senhor Jesus Cristo: "Sereis odiados de todos por causa do meu Nome" (Lc 21,17); "Bem aventurados sereis quando, mentindo, disserem toda espécie de mal contra vós, por amor ao meu Nome." (Mt 5,11-12).

Os pastores se ajoelham e se prostram diante de réplicas da Arca da Antiga Aliança, mas eles não chamam esses pastores de "idólatras". Só os católicos são chamados assim. Eles idolatram lencinhos molhados no suor do falso profeta Valdemiro, mas eles não acham que isso é idolatria. Em algumas denominações, acontece a distribuição de sabonetinhos para espantar "olho gordo", vidrinhos de "óleo ungido", "rosas consagradas", etc... Mas nada disso, para eles, é idolatria. Somente os católicos é que são idólatras. Todos pensam assim porque todos sofreram a mesma lavagem cerebral, que é muito difícil de reverter.

6. Subjetivismo religioso – III

A interpretação pessoal da Bíblia por cada "crente" e por cada pastor afronta claramente a Bíblia. De acordo com a santa Palavra de Deus, interpretação alguma é de caráter individual. Nem a Bíblia foi escrita de modo particular e nem, consequentemente, deve ser interpretada de modo particular ou individual (2Pd 1,20).

Examinar a Bíblia não é o mesmo que interpretá-la. Do mesmo modo, eu posso examinar uma pessoa e lhe informar que encontrei uma mancha na sua pele. Mas o diagnóstico daquela mancha deve ser feito pelo médico, e não por mim, que sou leigo. Para isso, os sucessores dos Apóstolos receberam autoridade. Cada bispo católico, cada padre, foi ordenado por um outro, que veio antes dele, que foi ordenado por um outro, que veio antes, e assim sucessivamente, até chegarmos aos Apóstolos, a São Pedro e, por fim, a Nosso Senhor Jesus Cristo. Esta é a autoridade que somente a Igreja Católica Apostólica Romana possui, porque recebeu diretamente do Filho de Deus. E mesmo que os homens pequem e cometam erros, às vezes graves, a Igreja se mantém sempre santa e confiável em seus ensinamentos.


7. "A igreja não importa" ou "igreja não salva"...

Todo "crente" diz em alto e bom som: “placa de igreja não salva ninguém”. Ora, se igreja não salva ninguém e cada um pode interpretar a Bíblia pessoalmente, então para que frequentar alguma denominação?

Quando ocorre algum escândalo envolvendo algum pastor, o "crente" também diz: “Olha para Jesus e não para o pregador”. Mas se o pregador não dá exemplo em sua vida pessoal, e a doutrina evangélica depende da interpretação pessoal da Bíblia, o risco de ele interpretar e ensinar errado é altíssimo, para dizer o mínimo. E se esse pastor ensina tolices e princípios contrários ao verdadeiro cristianismo, por que eu deveria ouvir o que ele diz? Não é possível "olhar para Jesus" assim. Pelo contrário, isso só vai me levar a olhar na direção contrária! Isso só vai colocar em risco a minha alma!

Se cada "crente" pode interpretar pessoalmente a Bíblia, se "igreja" não salva ninguém e o pastor não é confiável, porque ele é só um homem falível, – como os próprios evangélicos dizem, – então por que eles continuam dando tanto crédito aos pregadores?

Já o mesmo princípio não se aplica à Igreja Católica, porque um padre, mesmo pecador, precisa pregar de acordo com a doutrina da Igreja Católica, que é imutável, e não na sua interpretação pessoal que ele faz do Livro Sagrado. Esta é a diferença que faz toda a diferença.


8. Evangelização

Se cada um pode interpretar a Bíblia a partir da sua leitura pessoal, – leitura que contaria com algo como uma assistência automática e pessoal do Espírito Santo, como se bastasse ler que o Santo Espírito automaticamente nos iluminasse – por que ao invés de pregar não se imprimem Bíblias e se distribuem à população? Ora, se basta ter fé para ser salvo e se cada um pode ser o seu próprio intérprete da Bíblia, para que servem as denominações, os cultos, os pastores, as pregações, os livros, CDs e DVDs? Ao invés dos milhões em dízimos e ofertas, que sustentam toda uma grande estrutura, que é desnecessária, por que não reunir esses recursos e construir gráficas e mais gráficas e a compra de muito papel para a impressão de Bíblias, Bíblias e mais Bíblias, e distribuí-las para todos aqueles que não conhecem Jesus?

Eu digo porquê: porque os pastores fazem questão de se encarregar da tarefa de interpretar a Bíblia para os ignorantes e ingênuos que os seguem. E essa interpretação deturpada, que não tem nada a ver com a Mensagem original dos Evangelhos, lhes serve de sustento. Os evangélicos pensam que entendem a Bíblia, mas na verdade tudo o que eles conhecem é a interpretação pessoal deste ou daquele "pastor". Os pastores, com suas milhares de "igrejas", querem ser como pedágios no Caminho que é Jesus.


9. Interpretação bíblica

Agora, se cada um pode interpretar a Bíblia e se todas as interpretações estão corretas, mesmo que sejam todas diferentes entre si, então por que só a interpretação católica está errada? A Bíblia só pode ser interpretada se a pessoa está sob o rótulo de "evangélico"? Ora, mas nesse caso, o que salva não é a fé, é o rótulo! E se for assim, ao contrário do que eles afirmam, a placa da igreja ou o rótulo de "evangélico" é que salva.

Pela visão protestante, milhares e milhares de denominações estão corretas nas suas interpretações bíblicas, mesmo que sejam contraditórias entre si. Todas elas estão certas e apenas uma está errada, a da Igreja Católica. Justamente a Igreja que todos sabemos que foi a primeira a existir é que (para eles) não conta com a assistência do Espírito Santo. Nesse caso, Jesus teria mentido quando disse que os portais do inferno não prevaleceriam contra a Igreja (Mt 16,18) pois o inferno teria triunfado contra a primeira Igreja, e também quando disse que estaria com a sua Igreja até o fim do mundo: Ele só se faria presente nas comunidades que carregam o rótulo "evangélica".


10. O Pai-Nosso

A oração é bíblica. Foi ensinada diretamente pelo Senhor Jesus. Mesmo assim, o evangélico a repudia. Por quê? Para não parecer católico. O "crente" jura defender a Bíblia, mas é o primeiro a não obedecê-la. Ele decidiu que não irá recitar o Pai-Nosso e fim de papo. E pior, quem o faz está errado, ainda que esteja obedecendo à Bíblia. O crente se acha melhor do que Jesus, mais cristão do que o próprio Cristo. Jesus fez a oração do Pai-Nosso, e disse que deveríamos rezar assim, mas o "evangélico" não tem que fazê-la.
 

Razões porque retornei à única Igreja de Jesus Cristo – parte 2
 

 

ESTE POST é a continuação de "Razões porque retornei à única Igreja de Jesus Cristo", depoimento de André Silva, autodeclarado "ex-evangélico", sobre sua experiência em comunidades autodenominadas "evangélicas".


11. Maria

 

Isabel, que ficou cheia do Espírito Santo com a visita de Maria, chamou-a "mãe do meu Senhor". Mas o "crente" a chama "mulher como outra qualquer". Isabel recebeu o Espírito Santo com a chegada de Maria, grávida de Jesus Cristo, Deus Todo-Poderoso. O "evangélico" fica cheio de ira quando se menciona o nome de Maria. João Batista, o maior dos santos, estremeceu no ventre de Isabel ao ouvir a voz de Maria. O crente se enfurece quando ouve o nome Maria. A Bíblia diz que Maria será chamada bem-aventurada por toda as gerações. O "crente" a chama de mulher pecadora como qualquer outra.

O protestante rasga os Textos Sagrados. E jura defender a Bíblia. Seguem o que querem e desprezam o que não lhes interessa.


12. O Sacramento da Confissão

A Bíblia é clara: aos Apóstolos foi dado o poder de reter e de perdoar pecados (Lc 20,21-23). Os apóstolos se foram, mas deixaram seus continuadores, para continuar a Igreja, que seria acompanhada por Jesus Cristo até o fim do mundo. Mas como eles poderão fazer uso desse poder e dessa autoridade de reter ou perdoar os nossos pecados se nós não lhes confessarmos? Desnecessário falar mais a respeito de coisa tão clara.

 

13. Fundação de "novas igrejas cristãs"

 

A Bíblia não faz qualquer referência à milhares de “igrejas”, diferentes e separadas, cada uma seguindo uma doutrina particular, pelo mundo afora. Mas para fundarem suas denominações, os "evangélicos" não fazem questão da tal da base bíblica de que tanto falam. A Escritura diz que devemos ser um só Corpo, com uma só fé e um só Batismo (Ef 4,5). Eles fazem o contrário. Dividem-se, subdividem-se, outra vez e outra e outra. Sempre que um "pastor" não concorda com outro, separa-se dele, deixa aquela congregação e funda uma nova "igreja".

Os "crentes" fazem a mesma coisa, seguindo o exemplo dos seus "pastores". Se uma igreja não etá agradando, procuram outra mais ao seu gosto; os mais espertos logo se declaram "ungidos", assumem o título de pastores e fundam as suas próprias igrejas, do jeito que acham mais certo (ou, em alguns casos, do jeito que dá mais lucro, pelo que percebemos), segundo a sua própria interpretação particular da Bíblia. E todos dizem que estão sendo guiados por Deus. Existe um Deus ou muitos deuses? Se é um só Deus, como tantas igrejas podem ensinar coisas diferentes, – e todas elas estão certas, menos a católica?

 

Eles fragmentam o Corpo e pulverizam a mensagem do Evangelho. Fazem o contrário do que o Senhor nos ordenou. Basta um "crente" discordar do outro, – e isso é a coisa mais fácil de acontecer, – que já surge uma nova denominação. Seus líderes podem ter "visões" ou “revelações” para fundarem novas denominações. E, de novo, somente as revelações católicas, aprovadas pela Santa Igreja, é que são completamente refutadas.

 

O "crente" acredita naquilo que deseja, e nada mais. Simples assim. E rejeita tudo o que é católico. Usam sempre dois pesos e duas medidas: o "pastor" falou que teve uma "revelação"; todo mundo engole. Nessa hora o “prove-me biblicamente” ou “mostre-me onde está na Palavra de Deus”, que tanto usam para confrontar os católicos, não tem qualquer importância.

 

Em cena antológica, famoso autodeclarado "bispo evangélico" literalmente adora o deus Mamom. A coisa deu tão certo que ele acaba de fundar o maior e mais luxuoso"templo evangélico" do Brasil, que chama de "templo do rei Salomão"(?)...

 

14. Julgamento dos homens

 

Embora nos Evangelhos Jesus Cristo nos ensine, – e insista muito nisso, – que não devemos julgar as pessoas, o que o "evangélico" mais faz é julgar os erros dos católicos, especialmente os que dizem respeito aos sacerdotes. Mais uma vez a Bíblia é desprezada. Fazem pior: ao mesmo tempo em que são implacáveis com os católicos, são tolerantes com as outras "igrejas evangélicas".

São muito, muito tolerantes para com os falsos profetas que se apoderam dos títulos de "bispo", "pastor" ou "apóstolo". Para falar destes, mesmo aqueles (muitos) que são comprovadamente desonestos, verdadeiros facínoras, as expressões mais usadas são: “Não critica o homem de Deus"; "Não toca no ungido do Senhor”; “Não podemos julgar quem faz a obra de Deus"... Lembram sempre que não devemos julgar as pessoas, e sim seguir a doutrina da "igreja evangélica" a, b ou c. Mas quando o problema é com um padre, essa lógica não vale. Pelo contrário, qualquer deslize de um sacerdote é usado para caluniar a Igreja inteira e atacar a própria doutrina católica (como se a conhecessem...). Como sempre, dois pesos e duas medidas.

 

 

15. A Doutrina da Trindade

 

Como eu citei no primeiro item, a maior falácia de todas é acreditar que só o que está escrito na Bíblia vale. Mas tem algumas quase tão ruins quanto esta. Por exemplo, dizer que "evangélico" entende o que ensina a Bíblia. Ou dizer que "evangélico" só pratica o que ensina a Bíblia. A Doutrina da Trindade, por exemplo, não está explícita na Bíblia. Mesmo assim, a grande maioria dos "evangélicos" a confessa. Só não sabem explicar o motivo. Se não está dito literal e explicitamente na Bíblia, deveria ser rejeitada por eles, por uma questão de coerência. Mas por que a maioria professa tal doutrina? Porque os Concílios Católicos assim definiram, e Lutero, ex-monge católico, os acatou.

 

É sempre assim. Alguns "evangélicos", em alguns momentos, seguem Lutero. Outros, em alguns outros momentos, o rejeitam. Depende da conveniência de cada "crente", em cada situação. O Purgatório também está implícito na Bíblia, e a maioria deles rejeita. A Doutrina da Trindade está implícita na Bíblia e a maioria acata.

 

No fim, é sempre o que o "evangélico" quiser, e nada mais. Eles criticam que a doutrina da Igreja Católica seja infalível, acham um absurdo crer que o Papa seja, assistido pelo Espírito Santo, infalível para definir a doutrina cristã. Mas cada "evangélico" se vê a si mesmo como infalível, como se fosse seu próprio "papa". Ele cria a sua doutrina particular a partir das escolhas que faz. Simples assim.

Ele decide que textos da Bíblia irá seguir e quais rejeitar. Ele escolhe o que quer seguir de Lutero, Calvino e Wesley. Junta tudo isso com a sua própria interpretação individual e também filtra aquilo que vem de outros "crentes" e outros pregadores, somando o que acha interessante, descartando o que não lhe agrada. Assim é que o protestante monta a sua própria religião, e, fazendo-se sábio aos seus próprios olhos torna-se o grande apologista de sua própria doutrina... A Verdade não importa. Entender o que a Bíblia realmente diz não importa. Só importa o que ele acha, o que ele escolhe acreditar.

 

 

16. Desunião

 

Tudo que o "evangélico" brasileiro comum mais despreza é a instrução. Então, eles inventam "cursos" e elaboram aulinhas em suas congregações, baseados, como sempre, no que eles "acham", e chamam isso de "curso de Teologia"...

Mas eles não fazem a menor ideia do que a palavra Teologia quer dizer. Hoje em dia, tem curso para "formar pastor" em três meses! Você faz o cursinho e já está apto para assumir uma comunidade religiosa, que vai segui-lo cegamente. Um bom sacerdote católico precisa estudar em média oito anos para assumir uma paróquia. Ele precisa se graduar em Teologia, Filosofia, vivenciar a experiência pastoral, ser testado psicologicamente, intelectualmente... E precisa saber ler a Bíblia nas línguas em que foi escrita, hebraico e grego. Para ser pastor? Basta se declarar "ungido" por Deus... Sempre tem quem acredita. E como tem!

 

Mas quando um "evangélico" não concorda com a doutrina da sua denominação ou do seu "pastor", ele logo vai seguir o sabor de um outro vento. Quando contrariado, troca a sua denominação por outra, com a maior facilidade, e não raras vezes funda a sua própria “igreja”. Divisão da divisão da divisão... assim por diante.

 

 

17. Pedro

 

Todo protestante, para contestar o catolicismo, abraça a interpretação literal das Sagradas Escrituras. No entanto, quando se refere a Primazia de Pedro, aí o "evangélico" vai buscar a deturpação e a abstração em infinitas traduções, elucubrações, reinterpretações e malabarismos de lógica para fazer a sua contestação. E, – claro, – a interpretação que o "crente" vier a escolher é a certa. Se precisar, ele vai buscar no grego arcaico traduzido do aramaico, no latim, no hebraico, nos textos de Lutero, de Calvino, nas opiniões de outros pregadores, nos livros de autores protestantes e assim por diante. Tudo, menos abrir os olhos e simplesmente ler o que está escrito muito, muito claramente lá no Evangelho segundo Mateus, capítulo 16, versículo 18...

 

Isso porque o mais importante para todo "evangélico" é nunca concordar com o catolicismo, e negar até a morte que Jesus tenha firmado sua Igreja sobre Pedro. Negam a autoridade que Jesus deu a Pedro e o poder das Chaves, que ele recebeu diretamente do próprio Senhor para ligar e desligar na Terra como no Céu. Negam estas verdades e tudo o que elas implicam. Nessa hora, pouco importa o texto bíblico. Os defensores da leitura literal da Bíblia de repente a desprezam. E fica tudo bem, afinal, todos eles são homens e mulheres de Deus. Só os católicos é que estão errados, sempre. Os "pastores" e "pastoras" estão todos certos, certíssimos, até mesmo quando ensinam o contrário do que a Bíblia ensina.

 

 

A cantora "evangélica" Ana Paula Valadão rasteja pelo chão e "profetiza" o fim da Igreja Católica num famoso "culto-show". Há 2000 anos, o "fim" da Igreja de Jesus Cristo vem sendo "profetizado"...

 

18. Povo de Deus

 

Todo "evangélico" denomina a sua própria comunidade como o “Povo de Deus”. E por extensão, considera como pertencente a este mesmo "povo" todo e qualquer crente de outra denominação. Todos são irmãos em Cristo. Não importa que doutrina o outro "evangélico" pregue ou pratique, desde que não seja católico.

 

Não importa nem mesmo se ele não conhece o outro "evangélico" ou a sua denominação, ele sempre o considerará um irmão. Mas um bom católico, ainda que viva uma vida santificada, nunca será considerado “irmão em Cristo” ou “Povo de DEUS” por essas pessoas. – O "crente" não só despreza a Bíblia, como também toma o lugar de Jesus como único Juiz e ainda antecipa o julgamento de todos os homens.

 

 

19. Obras de Lutero

 

Alguém conhece um protestante que tenha lido alguma obra de Lutero? A maioria nem sabe quem ele foi. Sumiram todas as “obras” de Lutero. Também, pudera! Foi Lutero quem chamou Jesus Cristo de bêbado e de adúltero (vide Tischeredden. Conversas à Mesa, 1472, edição de Weimar, volume II, p. 107, apud Franz Funck Brentano, Martim Lutero, editora Vecchi, Rio de Janeiro, 1956, p. 151).

Foi de Lutero que os "evangélicos" aprenderam o “só a Bíblia” e o “só a fé”, mas a maioria deles nem sabe disso.

 

20. A Eucaristia e o Espírito Santo

 

O Senhor foi claro: seu Corpo é verdadeiramente Comida. Seu Sangue é verdadeiramente Bebida (João 6,55). Quem se alimenta de sua Carne e bebe do seu Sangue tem a Vida Eterna. Ele próprio diz de Si que é o Pão Vivo que desceu do Céu. Está na Bíblia. Mas como de costume, na hora de renegar a fé católica, a Bíblia não importa. Despreza-se o texto bíblico e tudo bem.

Afinal, todos os "pastores" são "ungidos" e "profetas". Qualquer dorzinha que alivia na hora do culto é logo proclamada, aos berros, como "milagre". Com impressionante facilidade atribuem tudo o que se fala ou se faz durante o culto, como pular ou cair no chão, como "obra do Espírito Santo"... Não sabem que a Bíblia diz que o único pecado que não tem perdão é a blasfêmia contra o Espírito Santo?

 

Razões porque retornei à única Igreja de Jesus Cristo – conclusão

 

 

ESTE POST é a continuação de "Razões porque retornei à única Igreja de Jesus Cristo", depoimento de André Silva, autodeclarado "ex-evangélico", sobre sua experiência em comunidades autodenominadas "evangélicas".


21. Reforma

 

Uma curiosidade: os "evangélicos" negam a Igreja Católica como sendo a Igreja original de Jesus Cristo. Então, se é assim, como é possível que esses mesmos "crentes" abracem a chamada "reforma" protestante? Dizem que a Igreja Católica é falsa. Bem, a reforma daquilo que é falso só pode resultar em algo igualmente falso. Se a Igreja Católica ensina mentiras, qualquer outra denominação que tenha derivado dela só pode ensinar igualmente mentiras. Se algo que nasceu de uma reforma é bom, isso implica que a fonte original era boa. Como pode a reforma de uma instituição falsa ser considerada honesta?

 

E se a Igreja é falsa, falsos são também os seus fiéis, sacerdotes, ritos e tudo mais. Em última análise, seu Deus também deveria ser falso. E se os seus membros são falsos, como pode Lutero, um destes membros, ser considerado um "grande reformador"? Como pode a sua reforma ou adaptação de uma instituição falsa ser aceita como padrão e modelo?

 

A verdade é que nada precisa fazer sentido no mundo dos "evangélicos". Para cada "crente", conta apenas o que ele quer entender e aceitar. Só vale o que o pastor fala no púlpito. Só vale o que os pastores interpretam da Bíblia. Extremo absurdo: eles nos acusam de acreditar que o Papa é um homem infalível (o que é mentira), mas na realidade, na prática, eles é que consideram os seus pastores infalíveis! Aquilo que o pastor entende da Bíblia é infalível, inquestionável, aceito imediatamente por todos, sem contestação, como verdade absoluta e divina!

 

Existem até aqueles extremamente ignorantes que chegam a dizer que Constantino fundou a Igreja Católica. E nessa hora precisamos fazer justiça e reconhecer que uma estupidez desse tamanho nunca foi dita pelos antigos protestantes. Até hoje as igrejas protestantes históricas (luterana, calvinista, presbiteriana, etc.) reconhecem que a Igreja Católica é a Igreja instituída por Cristo sobre a Terra. e que se não fosse por ela nós nem teríamos a Bíblia, hoje. O que eles dizem é que a primeira Igreja se perdeu no meio do caminho, o que é um absurdo tão grande quanto qualquer outro. Mas pelo menos eles tem a hombridade e a decência de não tentar negar o óbvio, não brigar com a História, não tentar argumentar contra um fato concreto.

 

Agora, retomando o meu ponto, se essa tolice sobre Constantino fosse verdade, então os "evangélicos" estariam abraçando uma reforma da “Igreja de Constantino”?! Puxa, eles rejeitam a "igreja de Constantino”, mas aceitam a igreja de Constantino reformada?! É para rir ou para chorar?

 

 

22. A Tradição

 

A Bíblia Sagrada nos orienta que guardemos as tradições.

 

"Então, irmãos, estai firmes e guardai a Tradição que vos foi ensinada, seja por palavras, seja por epístola nossa". (2Ts 2, 15)

"Mandamo-vos, porém, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos afasteis de todo o irmão que anda desordenadamente, e não segundo a Tradição que de nós recebeu." (2Ts 3, 6)

 

Algumas passagens, como estas, são explícitas, mas existem muitas, muitas outras que afirmam a mesma coisa, direta ou indiretamente. A Tradição é tão importante quanto a Escritura, até porque a Escritura é a Tradição por escrito, e a Igreja não tinha como se basear na Bíblia até pouco tempo antes de Lutero. Foram milênios em que os cristãos foram conduzidos, principalmente, na Tradição e pelo Magistério da Igreja. Mas os "evangélicos" lançam ao lixo a Tradição.

A pergunta que não quer calar: por que os "evangélicos", que dizem que observam a Bíblia como regra exclusiva, não guardam a Tradição, se a Bíblia mesmo ensina o contrário? Eu sei a resposta: é porque, no fundo no fundo, para eles pouco importa o que diz a Bíblia! O que eles conhecem bem e observam como regra exclusiva não é a Bíblia, mas sim a interpretação pessoal que cada pastor faz da Bíblia. Aqueles que juram defender a Bíblia são os primeiros a contrariá-la, simplesmente porque não a conhecem de fato.

 

 

23. Batismo de crianças

 

De onde os "evangélicos" tiraram que a pessoa deve ser batizada somente depois da idade adulta? Alguns chegam a querer se comparar ao próprio Senhor Jesus Cristo, dizendo que se Ele foi batizado depois de adulto, nós devemos fazer a mesma coisa! Como alguém consegue escutar um absurdo desses sem chorar nem morrer de rir? Jesus Cristo é Deus, e foi Ele mesmo quem instituiu o Batismo! Além disso, o batismo que ele recebeu de João, como os próprios Evangelhos ensinam, não era o mesmo Batismo que Jesus ordenou à sua Igreja! É tão óbvio!

 

Mais uma vez, eles ignoram a Bíblia, pois ela não proíbe o Batismo das crianças, ao contrário: os Atos dos Apóstolos contam que muitas famílias inteiras foram batizadas pelos Apóstolos, e nós sabemos que as famílias daquele tempo tinham sempre muitas crianças, por questões até religiosas. Mesmo assim, o "evangélico" prefere a interpretação dos "pastores" do que considerar o que realmente diz a Bíblia.

 

 

24. Unidade

 

Mesmo que não fosse pela fé ou pelo raciocínio intelectual, mesmo que não fosse pelos fatos históricos que eu agora conheço bem, ou simplesmente por uma questão de constatar inúmeros erros doutrinários nas milhares de denominações "evangélicas", a divisão e discórdia que existe nesse meio já seria motivo suficiente para me afastar deles. – A Bíblia diz que devemos ser um só Corpo. Tudo que os "evangélicos" não querem é a união. Onde se vê "um só Batismo e uma só Fé" entre eles? Ao invés da determinação bíblica, existem mais de 50 000 denominações diferentes e divergentes entre si. A Bíblia diz que não deve haver divisão entre os cristãos. Qual dos protestantes nesse planeta leva em consideração o texto bíblico? Mais uma vez, jogam fora a Bíblia que juram defender.

 

 

25. A Bíblia é mais importante do que a Igreja?

 

Este é, disparado, o maior erro dos evangélicos. A Bíblia é filha da Igreja, e não a sua mãe. Foi a Igreja que escreveu a Bíblia, pouco a pouco, e não a Bíblia que criou a Igreja. Os cristãos dos primeiros séculos não tinham Bíblia. É a igreja que dá credibilidade à Bíblia, e não o contrário. Acreditamos na Bíblia porque acreditamos na sua fonte, e a fonte da Bíblia Cristã é a Igreja Católica, – por meio da qual Deus a entregou à humanidade.

A Igreja Católica foi a responsável pela compilação, canonização e preservação dos textos da Bíblia. Quem não acredita na Igreja não deveria acreditar na Bíblia. Nem mesmo Lutero chegou ao absurdo de separar tão radicalmente a Bíblia e a Igreja. Não é a Bíblia que define a Igreja. A igreja é que definiu e define a Bíblia, por Inspiração divina!

 

Dizer que Deus está preso à Bíblia e dela não pode “fugir” é algo escandalosamente mentiroso e blasfemo; mas eu ouvi, pessoalmente, homens que se dizem "pastores" afirmando exatamente isso, que Deus não pode agir contra a Bíblia! Ora, Deus não conhece limitação de espécie alguma! A Bíblia é um instrumento sagrado e muito especial, uma arma do cristão para ser usada no combate, e não uma regra imutável da qual nem Deus escapa! Dizer isto é blasfêmia! Acaso é o Criador menor do que a criatura? Aquele que chama todas as coisas à existência está preso às interpretações das milhares de denominações ditas "evangélicas" da Bíblia? O que vejo por aí é "religião do livro". Bibliolatria pura.

 

Bibliolatria porque a Bíblia torna-se como um ídolo para todos e o seus intérpretes que se julgam sábios aos seus próprios olhos, tornando-se eles também ídolos de si mesmos. A Igreja Católica não propõe a religião do livro, mas a Religião da Palavra Viva e Encarnada, do Verbo do Deus Vivo, que deve ser adorado em Espírito e em Verdade. A Religião da Palavra de Deus que não se limita à letra, mas é o próprio Jesus Cristo, que se doa em Corpo, Alma e Divindade no Santíssimo Sacramento do Altar. Este eles não conhecem, por isso blasfemam contra Ele.

 

 

26. Intercessão

 

Inúmeras são as passagens bíblicas que falam sobre a intercessão de santos e anjos. Tudo ignorado pelos protestantes. No entanto, eles oram uns pelos outros e também pedem orações aos pregadores “ungidos”. A Bíblia diz que muito vale a oração de um justo, mas diz também que não há justo algum sobre a Terra. Sabendo que a Bíblia não é contraditória, de que justos estamos falando? Acaso aqueles que já foram julgados, – e contados entre os salvos, – são menores do que aqueles que ainda vivem por aqui? Se nós, que somos injustos, podemos interceder uns pelos outros, não poderão muito mais aqueles que já estão na Glória Eterna?

 

 

27. Sacrifício, Mediação e Intercessão

 

É intolerável afirmar que os católicos creem em outros mediadores além de Jesus. O Mediador para a nossa Salvação, entre Deus e nós, é Cristo, que com seu Sacrifício Eterno e eficaz nos resgatou na Cruz. Só Jesus, sendo Deus, suportou as piores dores, martírio e morte terríveis pela nossa salvação, e somente Ele poderia fazê-lo, porque só Jesus é Deus feito homem. É por isso que na Santa Missa oferecemos o Sacrifício do próprio Jesus Cristo a Deus Pai, em expiação dos nossos pecados. Por isso nos alimentamos de Cristo na Sagrada Eucaristia.

 

Intercessão é outra coisa, bem diferente: são como mediadores, mas entre Jesus e os homens, e podem ser nossos irmãos de fé, aqui na Terra, ou os santos e anjos no Céu. A Santa Igreja, que segundo a Bíblia é a coluna e o sustentáculo da Verdade (1Tm 3,15), recomenda que intercedamos um pelos outros.

 

 

28. Fé e Doutrina

 

O que significa a expressão “coluna e sustentáculo da Verdade”? Significa que, sem a Igreja que Jesus deixou no mundo, a Verdade desmorona. Não somos capazes, pelas nossas próprias forças, de alcançar a Verdade Divina. E Deus Todo-Poderoso designou sua Igreja para nos auxiliar nesse processo. Mas temos falsos mestres por aí dizendo que a Igreja não serve para nada. "Igreja não importa, importante é Jesus...". – Mas há um "detalhe", aí, que faz toda a diferença: foi o próprio Jesus quem nos deixou sua Igreja Una, e disse que dependeríamos dela para encontrar e seguir o Caminho e até para obter o perdão dos nossos pecados. Mais uma vez, tudo isso está escrito lá, bem claro, na Bíblia.

O problema é que, quando eles falam em "igreja", estão pensando numa empresa, que qualquer um pode fundar quando quiser, basta inventar um nome, registrar em cartório e abrir firma. Não entendem o profundo significado da Igreja Celeste, da Igreja que é continuação histórica do Corpo de Cristo no mundo, a qual Jesus fundamentou sobre o Apóstolo Pedro, o primeiro Papa.

 

Ora, o Senhor Jesus foi claro ao dizer que as portas do inferno não prevaleceriam sobre a sua Igreja. Não prevalecerão significa não prevalecerão. Que parte desta declaração tão direta eles não entendem? O problema é que os "evangélicos" e protestantes não creem na Promessa do filho de Deus. Para eles, o inferno prevaleceu sobre a Igreja Católica, que vem diretamente de Jesus e dos Apóstolos, e teria incorrido em “erros graves”. Eles creem que foi preciso Lutero para corrigi-la. O que disse um homem é mais valorizado do que o que disse Jesus Cristo e seus Apóstolos!

 

Então, devido a esses supostos erros graves da Igreja, agora são indispensáveis os atuais pregadores "evangélicos" que, mesmo divergindo entre si, estão todos certos e fazendo reparos na doutrina cristã. E cada nova denominação introduz novidades, ritos e hábitos novos. De Lutero ninguém nem se lembra mais. Ora, ou Lutero acertou ou Lutero errou. Ou Deus levantou Lutero para corrigir os erros do catolicismo ou não levantou ninguém. E se Deus tivesse levantado Lutero, quem é o "evangélico" para continuar reformando aquilo que Deus já teria reformado?

Mas para o "evangélico", Jesus mentiu. As portas do inferno prevaleceram sobre a Igreja e sobre o cristianismo, por 1500 anos, até nascer Lutero para restaurar a Verdade. E se não fosse o “santo” Lutero, até hoje o cristianismo que se creu e praticou desde o início seria falso. Mas o "evangélico" não permaneceu com Lutero. Menos ainda com Jesus. Conclusão: o "evangélico" amarrou uma pedra ao pescoço e se lançou ao mar. Para ele, Jesus, depois do sofrimento atroz e do Sacrifício, deixou o homem por conta própria. Cada um que interprete a Bíblia como puder. O "Jesus deles" diz algo mais ou menos assim: “Virem-se! Leiam a Bíblia, interpretem-na, escolham uma denominação qualquer, porque igreja não importa. Eu deixei minha própria Igreja só de brincadeira, isso não faz a mínima diferença. Fundem igrejas novas se não gostarem de alguma denominação, contestem seus próximos, ofendam aquela que escolhi para ser minha mãe e odeiem os católicos... Assim vocês se salvarão”...

 

O Jesus em que nós cremos não é assim. Seu desejo é que nenhum de nós se perca. Por isso nos deu nossa Santa Mãe Igreja para nos apontar o Caminho, sem erro. Ele sabe que o coração humano é incerto e contestador. O Apóstolo Paulo confirma que nosso julgamento é sempre tendencioso. Por isso mesmo, Cristo prometeu que estaria com a sua Igreja até o fim dos tempos.

 

É sem dúvida infinitamente mais seguro ser católico.

 

E se alguém quiser criar um texto para me responder, com o título "porque não sou católico", vou dar uma ajuda: por que alguém deixa de ser católico? Primeiro, ninguém que seja realmente católico deixará de sê-lo. Os falsos católicos, aqueles que estão apenas "fazendo número" no meio do Povo de Deus, esses deixam de frequentar a Igreja, quando se decepcionam com alguma coisa. E o fazem por arrogância, soberba e presunção. Parece-me que a maioria o faz por ignorância, pura e simples: tratam-se de pessoas que não estudam, que não se interessam, não procuram conhecer a sua própria Igreja e religião.

Presumir que tudo sabe e não aceitar qualquer tipo de correção ou instrução é típico do "evangélico" comum, e foi exatamente assim que a antiga serpente tentou o homem e a mulher, prometendo: "vocês serão como Deus, conhecerão o Bem e o Mal por conta própria"... Ser um divisor por natureza já é motivo para fundar uma “igreja” e contestar aquela que Jesus deixou sobre a Terra.


fonte http://www.ofielcatolico.com.br/
divulgação:http://www.arcanjomiguel.net
Clevinho Maia (Combatentes de São Miguel Arcanjo)
BLOGS
https://saomiguelarcanjo.wordpress.com
http://novecoros.blogspot.com.br

 

 

 



 

Ajude divulgar nosso site vote no botão +1 google


veja também